Grávidas precisam de melhores cuidados dentários

Dados de uma pesquisa realizada com mulheres em idade fértil, nos EUA, mostram que determinados grupos de gestantes não estão recebendo atendimento odontológico adequado. O estudo apontou que grávidas mais jovens, as não-hispânicas negras, as mexicanas e as com baixa renda familiar e baixa escolaridade não estão recebendo atendimento odontológico adequado como as demais gestantes americanas.

Os pesquisadores defendem que o atendimento odontológico é especialmente importante durante a gravidez. “Mulheres grávidas, em geral, não devem ter infecções que possam comprometer o sucesso da gravidez ou a sua própria saúde”, afirma a ginecologista e obstetra Cris Carneiro (CRM-SP 59.336).

Vários estudos têm demonstrado uma associação entre a doença periodontal durante a gravidez e resultados como prematuridade e baixo peso ao nascer. As alterações hormonais durante a gravidez podem aumentar o risco de problemas de saúde bucal, como a gengivite, por exemplo.

Para a obstetra, as disparidades observadas neste estudo sobre saúde bucal também são observadas em outros aspectos da saúde também. “As minorias e as pessoas com baixo nível socioeconômico tendem a ter uma carga maior de doenças. Por isso não é surpresa que as mulheres desses grupos, muitas vezes, não recebam o atendimento odontológico de que necessitam. Como reverter essa situação? Incrementando as consultas pré-natal, que podem ser usadas para verificar a saúde dental das mulheres e para incentivá-las a cuidar de seus dentes, como parte de cuidados de saúde globais”, diz a médica.

Para obter dados sobre a saúde oral e sobre o atendimento odontológico das mulheres em idade fértil,   equipe usou dados de 1999-2004  da National Health and Nutrition Examination Surveys,  que abrangiam informações de 897 gestantes e 3.971 mulheres não grávidas entre as idades de 15 a 44 anos. Eles consideraram especificamente as respostas a três perguntas da pesquisa: como cada mulher avaliava a condição de sua boca e seus dentes, há quanto tempo ela tinha ido ao dentista e o motivo da ida ao dentista.

Vejam os principais dados apurados:

  • Mulheres grávidas com mais de 35 anos (86%) disseram que seus dentes estavam em bom estado, em comparação com 57% das mulheres grávidas com menos de 24 anos;
  • Já para as mulheres que não estavam grávidas, o oposto era verdade: 75% das mulheres mais jovens disseram que suas bocas e dentes estavam em boas condições em comparação com 68% de mulheres mais velhas;
  • Mulheres brancas e com educação além do ensino médio ou renda familiar alta também relataram melhores condições de saúde bucal;
  • Mulheres grávidas jovens eram menos propensas do que seus pares (que não estavam grávidas) a relatarem uma consulta odontológica, no último ano;
  • Mulheres com renda familiar alta ou ensino superior apresentam mais probabilidade de ir ao dentista em busca de cuidados preventivos.

“Há ainda algumas profissionais de saúde que hesitam em recomendar às mulheres grávidas tratamento dentário por medo de colocar a criança ou a mãe em risco. No entanto, não temos nenhuma evidência de que o tratamento dental prejudica a mulher de qualquer forma durante a gestação”, afirma a médica.

Segundo Cris Carneiro, “quando uma mulher descobre que está grávida, ela deve comunicar o fato ao seu dentista desde o início da gravidez, visando assegurar o acompanhamento regular. Além do tratamento necessário, as mulheres que não recebem atendimento odontológico durante a gravidez também perdem a oportunidade de aprender a melhor forma de fazer a higiene bucal do bebê que irá nascer”, defende.

Publicado em Notícias e marcado , , , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *