Endometriose – o que é?

A Endometriose é uma doença benigna, ou seja, que não é câncer, e muito comum.

Estima-se que 7 a 10 milhões de brasileiras e aproximadamente 176 milhões de mulheres em todo o mundo tenham endometriose, ou seja, está presente em 10% a 15% das mulheres.

Pode  causar diminuição da qualidade de vida, qualidade do sono, qualidade da vida sexual, faltas no trabalho e em atividades estudantis, atrapalhar relacionamentos interpessoais, na família e no trabalho.

A Endometriose é definida como a presença de tecido semelhante ao endométrio, encontrado fora do útero, que provoca inflamação crônica. Este tecido é um grupo de células que forma nódulos que podem ser pequenos, menores que 1 milímetro, ou maiores que 0,5 centímetro, quando a doença classifica-se como Endometriose Profunda Infiltrativa.

A doença profunda pode penetrar vários tecidos e se estender por áreas extensas desde a superfície uterina externa,  ligamentos (estruturas fibrosas que auxiliam na sustentação dos órgãos), ovários, trompas, recobrindo e infiltrando-se até mesmo nos intestinos.

Mulheres com endometriose podem não sentir qualquer sintoma ou podem apresentar sintomas como cólicas menstruais, dor nas relações sexuais, infertilidade, dor pélvica (região inferior do abdome) crônica e sintomas urinários ou intestinais. Os sintomas podem ou não estar relacionados com a extensão (tamanho) da doença, mas não é comum pacientes sem sintomas apresentarem grande acometimento.

Quando suspeitar?

A cólica menstrual pode não ser normal. A dismenorréia, ou cólica menstrual, nas pacientes com endometriose costuma ser mais forte, e em algumas pacientes pode até impedir as atividades habituais. As mulheres que sentem cólicas menstruais fortes, que atrapalham suas atividades e que não melhoram completamente com uso de analgésicos ou de pílulas anticoncepcionais, devem suspeitar e prosseguir com investigação mais elaborada.

Outros sintomas também elevam a suspeita de endometriose: dor durante ou após as relações sexuais; dor no período próximo da menstruação (antes ou após); alterações ao evacuar ou urinar como dor, sangramento, aumento da frequência ou modificação da consistência das fezes, no período próximo ou durante a menstruação; sendo que algumas pacientes tem dor durante todo o mês, e a dor piora no período da menstruação.

Publicado em Notícias e marcado , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *